ETA do Arado não ficará pronta antes de 2023

Até 2023 os moradores das zonas sul e leste enfrentaram falta da água . Foto: Felipe Farias/LB
Até 2023 os moradores das zonas sul e leste enfrentaram falta da água . Foto: Felipe Farias/LB

    No dia 30 de maio de 2018, a prefeitura de Porto Alegre conseguiu junto a Secretaria do Tesouro Nacional a autorização do recurso necessário (cerca de R$ 220 milhões) para construção da estação de tratamento de água (ETA) da Ponta do Arado. A previsão é de que a duração das obras seja de três anos, uma vez que outras obras que - com previsão de que as licitações sejam publicadas em julho - também são necessárias para o funcionamento efetivo da estação fazendo assim, com que os habitantes da região sejam contemplados com os benefícios somente no início de 2023.
    Em entrevista publicada no jornal Zero Hora o diretor-geral do DMAE, Darcy Nunes dos Santos, questionado se as constantes faltas de água seguirão até 2023, ele não deu garantia: - Espero que não. Não vou dizer que vai ter problema, mas não vou prometer que não haverá problema. A ETA é uma solução com folga, com 100% de garantia. Até lá, a gente vai viver no limite.
    O financiamento de R$ 220 milhões será contratado junto à Caixa Econômica Federal. Depois de quatro anos, a prefeitura deverá começar a pagar o financiamento à Caixa.
Hoje a estação de tratamento de água de Belém Novo, abastece não somente a zona sul, como também a zona leste da cidade. Bairros como a Lomba do Pinheiro, segundo os moradores, chegaram a ficar até quatro dias sem água. A ETA de Belém Novo tem capacidade de abastecimento de mil litros por segundo. De acordo com o engenheiro do DMAE Marcos Calvete, que participa da Frente Parlamentar em Defesa do DMAE (FPDD), somente a ampliação da atual ETA dobraria o número de litros para abastecimento,passando de mil para dois mil litros por segundo.