Problemas na unidade de saúde de Belém Novo

US nescecita de apliação de seu espaço físico para melhor atender a população. Foto: Matheus Piccini/LB
US nescecita de apliação de seu espaço físico para melhor atender a população. Foto: Matheus Piccini/LB

   Uma soma de distintos problemas, como de infraestrutura, falta de água, operacional e de escassez de servidores faz com que a unidade de saúde (US) de Belém Novo não possa operar com toda a capacidade e excelência possíveis, para assim prestar um bom atendimento para a população.
   De acordo com a advogada Michele Riahn, que é coordenadora do conselho local de saúde (CLS) e vice coordenadora do conselho distrital de saúde (CDS) a US de Belém Novo atende mais de 15.000 moradores cadastrados, fora aqueles que não possuem cadastro na unidade. " A estrutura física e a equipe necessária para atuar com esta demanda se mostram abaixo do necessário", afirma Michele. Segundo ela é necessário uma ampliação da US.
   Além deste problema a unidade de saúde precisaria de computadores novos e refazer a comunicação da rede interna do local, já que algumas salas não possuem contato com esta rede. Ainda de acordo com Riahn é de extrema urgência a necessidade de um veículo para os atendimentos a domicílio, uma vez que são muitas as visitas domiciliares feitas na região. Atualmente os agentes da saúde e médicos vão a pé ou usam os prórpios carros para chegar até esses locais para atender, na maioria dos casos pessoas acamadas.
   De acordo com o Ministério da Saúde o ideal é de que se tenha uma equipe de saúde bucal para cada quatro mil habitantes na região. Na unidade básica de saúde de Belém Novo, hoje existe somente uma equipe composta por duas profissionais. O ideal então, seria que hoje estivessem atuando, no mínimo, três equipes da saúde bucal. Além da falta de funcionários as agentes de saúde necessitam de equipamentos novos, um deles responsável pela esterilização dos utensílios odontológicos, que está a dois anos queimado.