Usuários da US Belém Novo promovem ato em defesa dos trabalhadores do IMESF


   Na última quinta-feira (26 de setembro de 2019) ocorreu um abraço simbólico na Unidade de Saúde de Belém Novo (US) organizado pelos usuários (todos idosos) dos grupos da saúde da família, em defesa dos trabalhadores do Instituto Municipal de Estratégia de Saúde da Família (IMESF). A ideia dos participantes é chamar a atenção para o grande número de demissões. No posto do Belém Novo são 12 funcionários do IMESF (uma dentista e uma auxiliar, duas enfermeiras, seis agentes de saúde, um agente de endemias e uma médica).

   A coordenadora do Conselho Local de Saúde Belém Novo (CLS Belém Novo), Michele Rihan destaca que o grupo "Unidos pela Saúde" foi organizado pelas agentes comunitárias do IMESF e estabelece um trabalho preventivo da saúde. Segundo Rihan, saúde não pode se resumir ao tratamento de doenças e enfermidades: " ...a saúde vai muito além de tratar uma doença. Não pode ser só tratar da doença, a ideia é a prevenção também...".

   Michele destaca que o trabalho organizado pelas agentes comunitárias do IMESF é bem complexo e organizado. A coordenadora lembra que se conseguiu parcerias com a Associação dos Juízes do RS (AJURIS) e com professores voluntários em atividades como as caminhadas orientadas, por exemplo. Rihan chama a atenção para o trabalho desenvolvido e relata que as agentes comunitárias têm uma proximidade muito grande com os usuários: "...elas conhecem as pessoas, sabem quais medicações elas usam. Tem todo um trabalho de vínculo dos agentes comunitários com os moradores do bairro. Acaba se criando uma relação de confiança, de troca...".

   Fábio Gilberto Pereira, de 64 anos, é usuário da unidade de saúde de Belém Novo há aproximadamente 15 anos e participa dos grupos da saúde da família há cerca de 4 anos. Segundo ele, quando iniciaram-se os encontros começou um movimento de maior assistência às pessoas que possuíam hipertensão e diabetes: "...começamos com atividades físicas, palestras e caminhadas orientadas. Com a dissolução do IMESF a gente perdeu isso. E não é só a questão física, mas também a nossa saúde mental.".


A importância dos grupos


   A psicóloga Cristina Salomão lembra que a Organização Mundial da Saúde (OMS) orienta que, o ideal, é que adultos e idosos pratiquem atividades físicas durante 30 minutos por dia, 5 vezes por semana. Cristina destaca as diferenças entre atividade física e o exercício físico: " ...a atividade física é algo mais prazeroso e está associada diretamente a saúde emocional. Já o exercício físico necessita de uma sequência e um objetivo orientado. A atividade física mexe com o sistema límbico, que está relacionado a funções cognitivas".

   Estudos mostram que a prática da atividade física diminui os hormônios mais estressantes, como a adrenalina, por exemplo. Com a atividade física se libera endorfina que é o hormônio do bem estar, em resumo existe uma melhora da auto estima em função da liberação hormonal. Cristina também lembra que o convívio social auxilia na manutenção da qualidade de vida, que evita, por exemplo, o desenvolvimento da depressão.


O fim do IMESF


   Na última reunião do CLS Belém Novo, segundo Michele Rihan, houveram relatos de idosos de que a extinção do IMESF, dos grupos e a falta das atividades físicas rotineiras estão sendo muito prejudiciais para eles: " ...estavam muito tristes porque não teriam mais o que fazer...". A coordenadora também destaca que além da questão física, do grupo de caminhada, por exemplo, o convívio social ajudou inclusive uma das usuárias a superar uma depressão.

   Uma atividade bem além da proposta da unidade de saúde, os grupos coordenados pelas agentes de saúde do IMESF já estão todos suspensos. De acordo com o CLS Belém Novo o grupo de hiperdia, o grupo de combate ao tabagismo, o grupo de odontologia e o grupo de artesanato já não estão promovendo mais atividades. Para Michele os grupos têm "uma importância para o tecido social como um todo".

    Na próxima quinta-feira (3 de outubro de 2019), no início da tarde, está marcado um novo abraço simbólico pelos moradores de Belém Novo.